segunda-feira, dezembro 22, 2008

quinta-feira, dezembro 18, 2008

Este "estaminé" ambulante foi agraciado com este selo pelo Bibliotecas em Portugal. Estamos muito agradecidos pela lembrança e pela atenção prestada por este blogue, que presta um verdadeiro serviço público na comunidade bibliotecária nacional. Ao Fernando Vilarinho um enorme Bem Haja.
Mandam as regras desta distinção nomear 7 blogues merecedores deste selo, assim aqui vai a selecção do Bibliotecário Ambulante:

sexta-feira, dezembro 12, 2008

chama imensa

centralidade de afectos


CRÓNICAS DE UM BIBLIOTECÁRIO-AMBULANTE

quinta-feira, dezembro 11, 2008

relances natalícios

portugal, portugal

tiveste gente de muita coragem
e acreditaste na tua mensagem
foste ganhando terreno
e foste perdendo a memória

já tinhas meio mundo na mão
quiseste impor a tua religião
e acabaste por perder a liberdade
a caminho da glória

ai portugal portugal
do que é que estás a espera
tens um pé numa galera
e outro no fundo do mar
ai portugal portugal
enquanto ficares a espera
ninguém te pode ajudar

tiveste muita carta a bater
quem joga deve aprender a perder
que a sorte não vem só
quando bate a nossa porta

esbanjaste muita vida nas apostas
e agora trazes o desgosto as costas
não se pode estar direito
quando se tem a espinha torta

fizestes cegos de quem olhos tinha
quiseste por toda a gente na linha
trocaste a alma e o coração
pela ponta das tuas lanças

difamastes quem verdades dizia
confundiste amor com pornografia
e depois perdeste o gosto
de brincar com as crianças

ai portugal portugal
do que é que estás a espera
tens um pé numa galera
e outro no fundo do mar
ai portugal portugal
enquanto ficares a espera
ninguém te pode ajudar

jorge palma

CRÓNICAS DE UM BIBLIOTECÁRIO-AMBULANTE
CORGAS - MALHADAL

sexta-feira, dezembro 05, 2008

faróis

faróis distantes,
de luz subitamente tão acesa,
de noite e ausência tão rapidamente volvida,
na noite, no convés, que consequências aflitas!
mágoa última dos despedidos,
ficção de pensar...

faróis distantes...

incerteza da vida...

voltou crescendo a luz avançadamente,
no acaso do olhar perdido...

faróis distantes...
a vida de nada serve...
pensar na vida de nada serve...
pensar de pensar na vida de nada serve...

vamos para longe e a luz que vem grande vem menos grande.
faróis distantes...


álvaro de campos


CRÓNICAS DE UM BIBLIOTECÁRIO-AMBULANTE
CUNQUEIROS - FÓRNEAS

quinta-feira, dezembro 04, 2008

Um dia de chuva

"Um dia chuva é tão belo como um dia Sol
Ambos existem; cada um é como é."
Alberto Caeiro

CRÓNICAS DE UM BIBLIOTECÁRIO-AMBULANTE
VALE DAS BALSAS - CATRAIA CIMEIRA - PÓVOA