terça-feira, Novembro 25, 2014

subida divina

 folheando,folha a folha

 subida divina

 terreiro abençoado

 aparecem (I)

aparecem(II)

crónicas de um bibliotecário-ambulante
alvito da beira - sobrainho dos gaios

"ciência na aldeia"-santa casa de misericórdia proença-a-nova-velas ecológicas











crónicas de um bibliotecário-ambulante

quinta-feira, Novembro 20, 2014

reabastecimento

 "parage" alheia

 reabastecimento

 "travessar em segurança!"

 na berma segura

crónicas de um bibliotecário-ambulante
padrão-s.p.esteval-lameira de ordem-palhota-monte fundeiro-borracheira

terça-feira, Novembro 18, 2014

retorno da safra


 cores de...

 devoluções

 entre montes

 primeiro provo

retorno da safra

crónicas de um bibliotecário-ambulante
rabacinas - sobral fernando - maxiais - giesteiras

sexta-feira, Novembro 14, 2014

bem vindo seja

 engarrafamento clássico

 bifurcado

 "sinergia comercial": frutos do mar & frutos da imaginação

bem vindo seja

crónicas de um bibliotecário-ambulante
pedra do altar - esteves - peral - vale da mua

quinta-feira, Novembro 13, 2014

Crónica Andina - (#15 versão)



crónicas de um bibliotecário-ambulante

Crónica Andina - (#15 versão)
A essência de levar Biblioteca Pública sobre rodas assenta no movimento perpétuo de veículos, gentes, terras, ideias e sentimentos. Levando este conceito a risca a Bibliomóvel de Proença-a-Nova e o bibliotecário-ambulante têm levado: As histórias. As sensações. Os serviços, Os episódios. Os antecessores. Os sucessores. As ideias. Os sonhos. Os pesadelos. Os anseios a variados pontos do país e deste Mundo.
Um convite, a aceitação e a confirmação de uma primeira viagem transatlântica até terras do Fim do Mundo. Chile.
Uma viagem longa, demasiado longa com algumas peripécias logísticas, apropriadas a sua extensão.
Chegámos!
Um quase rapto (comercial!) levou-me ao taxista certo, que pelo seu tamanho passara despercebido na floresta de braços e placas identificativas com os nomes dos passageiros a transportar. Recebi um novo baptismo identitário (Marcial Nuno), que aliado ao registo da empresa (transportes Astral) revelava simbolicamente o meu destino. Um outro Novo Mundo!
O corpo pedia descanso, após atrasos, corridas desenfreadas,perca de voo de ligação, estadias em aeroportos, hotel, etc. A Razão e a Emoção pediam outras coisas distintas.
A chegada ao salão da concentração familiar BiblioMovilera Chilena foi um encontro de caras. Cara a Cara! Afectos reais que instantaneamente se soltaram e ligaram aqueles membros de uma família global afectiva e efectiva.
Um dia passado junto daqueles que fazem, sentem e vivem o mesmo nas estradas, nas terras, nas casas e junto daqueles que usufruem dos serviços prestados pelas Bibliotecas sobre rodas, serviu para confirmar uma ideia: Não importa onde! Não importa como! As Bibliotecas Itinerantes e os seus profissionais não são melhores nem piores que os outros. Somos diferentes!
Diferentes pela Proximidade. Periodicidade. Cumplicidade. Intimidade e Amizade para com aqueles que nos visitam dentro dos espaços itinerantes de Biblioteca Pública (e não só!).
Novos velhos desafios foram discutidos, estratégias de acção planificadas e apresentadas, avaliação de actividades passadas foi feita. A Bibliomóvel de Proença-a-Nova e as Bibliotecas Itinerantes de Portugal foram expostas e acarinhadas pelos participantes no II Encontro da Red de Bibliomóviles do Chile.
Passado o reencontro familiar directo, foi tempo de passar aos “primos mais distantes”. Começava o III Seminário Internacional das Bibliotecas Públicas. Mais de 300 colegas de profissão das Bibliotecas Públicas do Chile, prontos para escutar conferencistas vindos da Catalunha, Chile, Espanha, Guatemala, Portugal e México sobre os novos desafios das Bibliotecas, a promoção do Livro e as distintas Leituras.
As Bibliotecas Itinerantes voltaram a ser as vedetas por mais uma jornada. Uma mesa de partilhas de experiências bibliotecárias itinerantes dava inicio a mais um dia. Dois profissionais, dois projectos, dois países: Chile e Portugal.
Aguardei a minha vez, escutei, e observei uma experiência fabulosa de alguém, que como eu percorre “sozinho” estradas, terras e gentes de uma região ao volante de uma Biblioteca Itinerante.
Chegou a hora de apresentar as Andanças da Bibliomóvel de Proença-a-Nova como herdeira de um legado, deixado pelas Bibliotecas Itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian como tecedeiras de uma rede mais social. Nervoso e ansioso agarrava e sentia a textura de uma pulseira no pulso esquerdo. Oferta de uma senhora, Mulher de M grande, descendente dos Maias que na véspera tinha gostado de escutar as minhas palavras e ofereceu-me uma pulseira manufacturada na sua Biblioteca Comunitária símbolo de vida e resistência da sua comunidade. Procurava nela alguma inspiração! O primeiro slide apareceu e as primeiras palavras soltaram-se:
Bom Dia sou Português!
A comunicação ia no seu equador, quando uma gaffe monumental, surgida na tradução simultânea do meu pensamento de português para castelhano ia deitando tudo a perder, mas a bonomia da assistência fez com que tudo fosse perdoado e após um breve momento de bloqueio, uma gargalhada, prossegui e finalizei. Com bastante alívio!
Um convite inesperado e irrecusável no final dessa manhã! Seria a recompensa pelo momento inusitado e rocambolesco da manhã!?! Não sei mas foi imediatamente aceite. Uma visita á primeira biblioteca itinerante do Chile (que ainda se mantêm em funcionamento)? Como podia dizer que não!
Saímos rumo a uma das comunas de Santiago, percorremos geografias estranhas para um europeu. Intensas nas cores, nos cheiros, nos movimentos e manobras de veículos. A parafernália de novos sinais e símbolos urbanos mesclados com signos de ruralidade aqui e acolá. Diversidade caleidoscópica, mas bem estruturada da estratificação social de uma comunidade.
Uma biblioteca comunitária, uma Biblioteca comunitária infantil, uma Biblioteca assente numa antiga carruagem ferroviária (Bibliotren), todas elas visitadas e sentidas como sendo parte integrante daquela comunidade. Bibliotecas que se sente o pulsar quase adolescente de uma imensa vontade de fazer acontecer e elas fazem acontecer a essência de uma Biblioteca Pública: Existir para servir e serem usadas e abusadas!
Mas então e a Biblioteca Itinerante?
Guardada num passadiço interno, aguarda a algum tempo por uma reparação que lhe permita regressar as ruas e as gentes daquela comunidade. Um veículo que encerra em si muitas histórias, fruto dos mais de 50 anos que leva a percorrer as suas geografias funcionais e sentimentais. Pormenores deliciosos de engenharia automóvel americana, preservados ao detalhe e que com detalhe contam episódios de uma história que ainda não terminou.
Ainda antes desta inesquecível jornada terminar outro convite surge, e que convite!!!!! Fazer parte da equipa de outra Biblioteca Itinerante por uma manhã, saltar para o terreno e vivenciar diferentes emoções, sensações e rotinas. Seria mesmo assim!?! Não Foi!
Uma manhã quente a lembrar o verão beirão serviu de cenário. Partimos em direcção ao Mercado semanal. No lugar do pendura observava cada movimento do condutor, cada olhar seu em direcção a estrada em busca de imprevisto (já tinha visto isto noutro lugar!). As histórias partilhadas com a colega habitual de rotas. Memórias de outros dias passados e que marcam e deixaram marca (já ouvi isto noutro lugar!). As pessoas chegavam, cumprimentavam, escolhiam leituras (as mesmas autoras que deste lado do Mundo), ofereciam presentes em forma de fruta e doces, partilhavam as suas dores, alegrias, anseios e perplexidades (já senti isto noutro lugar!). Seremos assim tão diferentes!? Claramente Não!
O dia não tinha terminado e já estava novamente convidado para outra experiência bibliotecária. Visita guiada a Biblioteca Pública de Santiago.
Outra magnifica Biblioteca Viva!
Um espaço recuperado, outrora armazém estatal frio e burocrático transformado num espaço de vibração cultural e social onde a comunidade e biblioteca se encontram e trocam espaços, informação, conhecimento, serviços úteis e afectos, muitos afectos.
Entretanto no seminário colegas de arte e profissão debatiam e apresentavam diferentes sensibilidades sobre os novos papéis das bibliotecas, dos livros e suas diferentes leituras/interpretações.
Para finalizar com chave de ouro este seminário, uma cerimónia sentida e emotiva de entrega de prémios as bibliotecas públicas que se tinham destacado durante o ano de 2013. As palavras deixadas pelos responsáveis nacionais, que com simplicidade desarmante incitaram todos (TODOS) a trabalharem para que o sucesso seja realmente de todos e para todos.
As reações dos galardoados e não galardoados surpreenderam-me. Um misto de alegria e entusiasmo revelam a enorme paixão pelo trabalho que realizam e claro isso nota-se no resultado final, como tive oportunidade de sentir nas experiências no terreno.
O Chile…bem o Chile é um país e melhor do que eu para o descrever está um dos seus filhos predilectos:
Cuando de Chile
OH Chile, largo pétalo
de mar y vino y nieve,
ay cuándo
ay cuándo y cuándo
ay cuándo
me encontraré contigo,
enrollarás tu cinta
de espuma blanca y negra en mi cintura,
desencadenaré mi poesía
sobre tu territorio.

Hay hombres
mitad pez, mitad viento,
hay otros hombres hechos de agua.
Yo estoy hecho de tierra.
Voy por el mundo
cada vez más alegre:
cada ciudad me da una nueva vida.
El mundo está naciendo.
Pero si llueve en Lota
sobre mí cae la lluvia,
si en Lonquimay la nieve
resbala de las hojas
llega la nieve donde estoy.
Crece en mí el trigo oscuro de Cautín.
Yo tengo una araucaria en Villarrica,
tengo arena en el Norte Grande,
tengo una rosa rubia en la provincia,
y el viento que derriba
la última ola de Valparaiso
me golpea en el pecho
con un ruido quebrado
como si allí tuviera
mi corazón una ventana rota.

El mes de octubre ha llegado hace
tan poco tiempo del pasado octubre
que cuando éste llegó fue como si
me estuviera mirando el tiempo inmóvil.
Aquí es otoño. Cruzo
la estepa siberiana.
Día tras día todo es amarillo,
el árbol y la usina,
la tierra y lo que en ella el hombre nuevo crea:
hay oro y llama roja,
mañana inmensidad, nieve, pureza.

En mi país la primavera
viene de norte a sur con su fragancia.
Es como una muchacha
que por las piedras negras de Coquimbo,
por la orilla solemne de la espuma
vuela con pies desnudos
hasta los archipiélagos heridos.
No sólo territorio, primavera,
llenándome, me ofreces.
No soy un hombre solo.
Nací en el sur. De la frontera
traje las soledades y el galope
del último caudillo.
Pero el Partido me bajó del caballo
y me hice hombre, y anduve
los arenales y las cordilleras
amando y descubriendo.

Pueblo mío, verdad que en primavera
suena mi nombre en tus oídos
y tú me reconoces
como si fuera un río
que pasa por tu puerta?

Soy un río. Si escuchas
pausadamente bajo los salares
de Antofagasta, o bien
al sur, de Osorno
o hacia la cordillera, en Melipilla,
o en Temuco, en la noche
de astros mojados y laurel sonoro,
pones sobre la tierra tus oídos,
escucharás que corro
sumergido, cantando.

Octubre, oh primavera,
devuélveme a mi pueblo.
Qué haré sin ver mil hombres,
mil muchachas,
qué haré sin conducir sobre mis hombros
una parte de la esperanza?
Qué haré sin caminar con la bandera
que de mano en mano en la fila
de nuestra larga lucha
llegó a las manos mías?
Ay Patria, Patria,
ay Patria, cuándo
ay cuándo y cuándo
cuándo
me encontraré contigo?

Lejos de ti
mitad de tierra tuya y hombre tuyo
he continuado siendo,
y otra vez hoy la primavera pasa.
Pero yo con tus flores me he llenado,
con tu victoria voy sobre la frente
y en ti siguen viviendo mis raíces.

Ay cuándo
encontraré tu primavera dura,
y entre todos tus hijos
andaré por tus campos y tus calles
con mis zapatos viejos.
Ay cuándo
iré con Elías Lafferte
por toda la pampa dorada.
Ay cuándo a ti te apretaré la boca,
chilena que me esperas,
con mis labios errantes?
Ay cuándo
podré entrar en la sala del Partido
a sentarme con Pedro Fogonero,
con el que no conozco y sin embargo
es más hermano mío que mi hermano.
Ay cuándo
me sacará del sueño un trueno verde
de tu manto marino.
Ay cuándo, Patria, en las elecciones
iré de casa en casa recogiendo
la libertad temerosa
para que grite en medio de la calle.
Ay cuándo, Patria,
te casarás conmigo
con ojos verdemar y vestido de nieve
y tendremos millones de hijos nuevos
que entregarán la tierra a los hambrientos.


Ay Patria, sin harapos,
ay primavera mía,
ay cuándo
ay cuándo y cuándo
despertaré en tus brazos
empapado de mar y de rocío.
Ay cuando yo esté cerca
de ti, te tomaré de la cintura,
nadie podrá tocarte,
yo podré defenderte
cantando,
cuando
vaya contigo, cuando
vayas conmigo, cuándo
ay cuándo.

Pablo  Neruda

Foi bom, muito bom. Regressarei (um dia!)

quarta-feira, Novembro 12, 2014

pós são martinho

 lojas itinerantes


 galeria "comercial" ambulante

 ilha

 pós são martinho

negócio de saias

crónicas de um bibliotecário-ambulante
vale das balsas - figueira - catraia cimeira - póvoa

segunda-feira, Novembro 10, 2014

"leio melhor que tu!!!"

 invernia beirã

 espera molhada

 abrigo adubado

 eles aparecem sempre

 "leio melhor que tu!!!"

 combustível social

saúde espiritual,física e...racional...!

crónicas de um bibliotecário-ambulante
cimadas cimeiras - cimadas fundeiras - vergão

quinta-feira, Outubro 30, 2014

paragem técnica (necessária!!)

 n vezes visto. n vezes apreciado. sempre deslumbrado

 distintas tecnologias

 linhas lidas e relidas

 castanhas & linhas

paragem técnica(necessária!!)

crónicas de um bibliotecário-ambulante
cunqueiros - forneas - pedra brancas

segunda-feira, Outubro 27, 2014

domicílio provisório


crónicas de um bibliotecário-ambulante

Domicílio provisório

Uma tarde fria e chuvosa de um qualquer Inverno nas andanças da Bibliomóvel de Proença-a-Nova. Primeira paragem do dia. Um forno comunitário, abrigado num telheiro serve de ponto de encontro, parque de estacionamento e confessionário público.
Um carro afrouxa, passa, abranda e trava, segue… abranda e detêm-se! Uma figura sai e vem ao nosso encontro. Pergunta pela finalidade da nossa presença. Confirmadas as suspeitas pergunta pelas normas de funcionamento e aponta para outra figura que a custo tenta sair do carro.
Vou até lá, apresentações feitas, encontro marcado para daqui a 15 dias no deu domicilio. Primeiro empréstimo de um volumoso romance que renitente aceita com medo de não o acabar a tempo do meu regresso.
Os primeiros de muitos quinze dias passados, lá estou novamente, agora diante da sua porta. Buzino, bato a porta… nada!!! Passados alguns largos minutos, já dentro da Bibliomóvel vejo uma figura (era D.D.) a emergir de sua casa. Regresso!
Este primeiro contacto iria repetir-se por mais alguns Verões, Primaveras, Outonos e Invernos. As suas conversas lúcidas eram invariavelmente entrecortadas com lamentos pela sua saúde. Moléstias diversas, para as quais raramente tinha consolo nas inúmeras visitam a médicos generalistas, especialistas. Incontáveis deslocações a centros de saúde e hospitais. Baterias de exames intermináveis e nada…
Os seus dias passavam como folhas de uma bula medicamentosa, encaixada e muitas vezes solitária na sua embalagem. Uma senhora vinha de manhã, preparava as refeições, a roupa e depois ia embora.
As vizinhas eram companhia efémera. Uma delas, uma resistente carpida em anos de trabalho duro estranhava a ausência de saúde e a excessiva preocupação com a mesma. D.D olhava com inveja para a fortaleza sanitária da vizinha e arriscava a tratar dos seus canteiros e pequena horta. Sem grande sucesso. Caia muitas vezes de cama e ali permanecia.
Pedia-me livros, pequenos que a vista não dava mais. Insistia em ler e lia em dois dias o livro que ficava para quinze. Perguntava que se podia deixar mais. Recusava!
Hoje como sempre estacionei a sua porta. Uma vizinha deu pela minha presença e avisou-me:
- Olhe hoje não está aí ninguém!!!!
Pensei: nova visita ao hospital!
- A D.D. faleceu!! Passou mal o fim de semana e esta manhã não abria a porta, partimos o vidro, entrámos e estava na casa de banho. Veio o INEM. Já nada se podia fazer.
Oito anos de estradas, terras e gentes e já vi partir muita gente (demasiada!) a quem já não posso dizer mais: “até daqui a quinze dias, fique por cá tudo bem!”.

domingo, Outubro 26, 2014

foi bom o encontro. foi bom o reencontro.seria bom um novo encontro!

 vilar formoso

 moimenta da beira

 são joão da pesqueira

 penedono

 proença-a-nova

 montalegre

 beja

 espinho

 guarda

 león

 mealhada

 são pedro do sul

 aguiar da beira

 oliveira de azeméis 

lisboa

foi bom o encontro.foi bom o reencontro.seria bom um novo encontro!

crónicas de um bibliotecário-ambulante