quinta-feira, julho 05, 2007


Crónicas de um Bibliotecário-Ambulante

Agradável Imprevisibilidade

A partir do momento em que a chave da ignição é ligada e a Bibliomóvel se faz à estrada pelos caminhos de Proença-a-Nova ao encontro das suas gentes é como uma “Caixa de Pandora” que se revela.

Apesar da igualdade de circunstâncias, o imprevisível acontece: Uma luz diferente que confere à paisagem uma tonalidade diferente, consoante a estação, um animal que cruza o asfalto, um piropo mais atrevido, um pedido mais extravagante, um desabafo mais profundo, uma dor distinta, uma anedota mais picante, novas paragens, novos utilizadores, novos livros a recomendar, novas construções no caminho, novos nascimentos (poucos), falecimentos (muitos), vinho novo, enchidos frescos, enfim uma miríade de acontecimentos e eventos que nunca deixam instalar uma previsível rotina.

Sentado na cabine da Bibliomóvel, verifico tudo antes de arrancar para mais uma jornada. Hoje é dia de parar numa escola e, como em outras paragens similares, hoje sei que a agitação vai ser constante. Não me enganei! Ao abrir das portas do “estaminé” logo a gritaria se instala e sedentos de leitura e animação correm pelo recreio da escola até ao portão de entrada, onde se encontra estacionada a Bibliomóvel.

-“Boas tardes rapaziada!!!”

-“Olá…Olá …Oláaaaa!!!”

-“ Este… estes….livros são para entregar!”

-“ Quero levar mais destes!...”

-“ Ligue-me lá o computador...DEPRESSA!!!.”

-“Ehhhh lá!!! Tenham lá calma, que isto chega para todos”

-“Quero levar o dvd dos Gatos Fedorentos. Ele tá cá?”

-“Sim já to dou, espera só um pouco”

-“ Não quero-o agora já antes que a (…) o leve!”

- “Ok toma lá! Deixa-me fazer a requisição”

-“Depressaaaaa….!!!”

- “Calma!”

- OHH!!! você é parecido com este dos óculos do Gato Fedorento, não fosse esses ferros que tem nos dentes…!”

Saio com ritmo apressado, pois estou atrasado para a próxima paragem, ao passar numa terra vizinha duas senhoras fazem incessantes e constantes sinais, da berma da estrada, para eu abrandar e parar, obedeço!

-“Estávamos a ver que o Sr. hoje não passava por aqui!”

-“ Eu passo sempre de 15 em 15 dias, mas como nunca via ninguém nas ruas, nunca parei.”

-“ Sim nós sabemos, o Sr.Padre já tinha dito que o Sr. ia à (…), mas o Sr. bem que podia fazer uma pequena paragem aqui, não podia?”

- “Posso, posso. Fica combinado então. A partir de hoje, de 15 em 15 dias a esta hora, paro neste local.”

-“Obrigado, cá estaremos e vamos avisar a nossa vizinha que ela também gosta muito de bordados.”

-“ Não fiquem à porta entrem! Cuidado com o degrau!”

-“Ora então vamos lá ver… Humm muito bonita a carrinha!”

-“… não tem cá nenhum livro de receitas para diabéticos e para emagrecer?”

-“ Tenho estes 2!”

-“… é mesmo isso que eu vou levar!”

O imprevisível pode por vezes ser agradável!

O Papalagui