quarta-feira, setembro 18, 2013

sinais de luzes


crónicas de um bibliotecário-ambulante

sinais de luzes

as andanças da Bibliomóvel não são apenas feitas pelos seus frequentadores/Amigos. Durante as viagens e paragens, surgem ocasionais e regulares “passantes” que nos acenam ou param deixando palavras de incentivo ou simples preocupação sobre o “estado da arte”.
Hoje um desses “passantes” inesperadamente desapareceu. Nunca entrou, usou ou simplesmente frequentou as nossas instalações ambulantes. Mas tinha sempre um acenar, um sorriso, uma preocupação sobre o andamento do serviço.
Sempre que cruzámos os mesmos caminhos, havia um sinal de luzes, um acenar, uma buzinadela…
Sempre que passava (em serviço/lazer) nalguma aldeia onde a Bibliomóvel estivesse estacionada, fazia questão de parar, sair do seu veículo e dirigir-se até junto de mim. Nunca entrou na Bibliomóvel!

-“ Boas tardes sr.Marçal! Então como vai o negócio!?”

Estas sensações de perda são useiras e vezeiras, mas nunca as assimilamos da melhor maneira.

Vou sentir falta da preocupação, dos sinais de luzes, dos acenos!